Ir para conteúdo

A Síndrome do Foco Relativo


Filipe F.

883 visualizações

 Share

                Filipe, 36 anos, administrador. Formou-se aos 24. Começou a estudar para o concurso de técnico do MPU. Três meses depois, deixou de estudar para o certame. Decidiu estudar para técnico do TJDFT. Três meses depois, também abandonou o planejamento. Decidiu que dessa vez estudaria para o cargo de Escrivão da Polícia Civil do Distrito Federal. Começou a estudar. Três meses depois, saiu o edital de Agente da PCDF, resolveu tentar a sorte. Três meses depois, resolveu estudar para a DPDF. 

 

            Quando deixou de estudar para o MPU, Filipe desistia em razão de ainda estar começando no mundo dos concursos e por não se achar suficientemente preparado para a prova. Ele achava que conseguiria isso na do TJDFT, prova pela qual não havia nem edital previsto. Quando decidiu estudar para Escrivão da Polícia Civil, viu no salário uma possibilidade melhor do que aquelas que já havia sonhado. Quando mudou dessa para a prova de Agente foi porque viu um maior dinamismo na atividade a ser realizada no futuro. Quando desistiu dessa prova e começou a estudar para a DPDF, Filipe queixa-se da dificuldade dos outros certames e viu nessa oportunidade a chance de entrar mais facilmente no serviço público em função do salário que não era tão alto.

 

              Todos os fundamentos de Filipe são plausíveis. Mas suas razões são apenas sintomas. Sintomas de uma síndrome comum no mundo dos concursos: a síndrome do foco relativo. Filipe, está sempre focando em novos concursos e recomeçando os estudos.

 

               E a origem da síndrome reside na comparação entre o real e o ideal. Porque o começo de qualquer caminho é fundado no imaginário. Filipe, em suas decisões se via como técnico, como policial, como analista. Então, tomava o caminho. Só que, a cada dor real, comparava o caminho escolhido com outro, não vivido. E o outro, evidentemente, vencia. Então, ele mudava de rota.

 

              Entenda: se, a cada três meses, você decidir mudar de certame, você nunca vai passar. A permuta frequente de caminhos não é sinal de qualidade nos estudos. É sinal de que você continua o mesmo, o mesmo imaturo de sempre. A síndrome deve ser combatida. Como? Com perenidade, a aceitação das dores e enumeração correta das razões. Em vez de citar os motivos para desistir de um certame, enumere razões para prosseguir estudando para ele.

O presente texto é uma adaptação do original  https://www.cpiuris.com.br/blog/2020/04/27/a-sindrome-do-eterno-comeco_196/  Trata-se de uma "paródia" sem cunho humorístico onde retrato o principal problema que me aflige no momento: a falta de foco.  Já há quase dois anos enfrento a dificuldade em escolher minha área e isso atrapalha enormemente tanto a eficiência quanto a continuidade de qualquer planejamento. Espero que o texto inspire aqueles que passam pelo mesmo problema.

A cronologia apresentada no texto foi alterada com objetivo literário.

Abraço a todos e bons estudos.

 

  • Curtir 9
  • Obrigado! 3
 Share

2 Comentários


Comentários Recomendados

Aline Colares Ferreira

Postado

Parece que pegaram minha história e colocaram aqui. Só trocaram o nome e a idade rsrsrs. 

  • Curtir 1
Link para o comentário

Sou servidora de Carreira policial e, se tem uma dica que eu posso dar a respeito da escolha da área é seguir um trabalho que não vá totalmente de encontro ao seu perfil e/ou princípios.

Não necessariamente conseguimos saber o que queremos, mas podemos saber o que não queremos.

Eu sou uma pessoa totalmente pacífica, bióloga de formação, totalmente ligada à vida, sempre acreditei no lado bom das pessoas. Não é atoa que meu nome significa "esperança". 

Enfim entrei para o curso de formação da polícia civil... foram muitas discussões com professores ao mostrar agressões, cerceamento de liberdade totalmente descabidos socialmente mas legais, etc. Foi uma dor profunda ao ter que estudar mortos no IML (concurso de Papiloscopista), estudar tragédias como a que ocorre frequentemente na região serrana do RJ. Sem contar a dificuldade em conviver com pessoas em sua maioria com a agressividade mais desenvolvida, com pensamentos muitas vezes extremistas. Tem também o contato diário com questões criminosas contra crianças, mulheres, torturas e tantos crimes motivados por motivo fútil, ou torpe...

É algo totalmente oposto ao que eu gostaria. Porém, sem antes saber sobre todas as carreiras públicas comecei a estudar para CBM, concurso que apesar de previsto, demorou 5 anos para sair, contando do dia que comecei a estudar. Para aproveitar as oportunidades realizei concursos semelhantes, mesma área, e aqui estou.

Militarismo com certeza tb não combina comigo, pois sou aquela pessoa que não aceita diversas questões que envolvem tal tipo de hierarquia, se é que me entende.

Eis-me aqui estudando para outra carreira, enquanto luto para preservar minha sanidade e integridade. Rs.

Link para o comentário

Faça login para comentar

Você vai ser capaz de deixar um comentário após fazer o login



Entrar Agora
×
×
  • Criar Novo...